APLICATIVO GÊNIO DAS FINANÇAS

EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA PALMA DA MÃO

PORTAL DO MARKETING

SUPORTE COMPLETO PARA UMA MELHOR COMUNICAÇÃO

E-BOOKS GÊNIO DAS FINANÇAS

EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA PALMA DA MÃO

Como as escolas podem incentivar o empreendedorismo nos alunos?Tempo de leitura estimado: 7 min.

01 dezembro 2021

Educador

É sabido que crianças e jovens que são estimulados a aprender e realizar atividades relacionadas com a maior variedade possível de temas durante os anos de formação, inclusive o empreendedorismo, se tornam adultos mais preparados e criativos.

Em um país com uma cultura empreendedora tão forte quanto o Brasil, incentivar a postura empreendedora nas crianças é uma ótima maneira de prepará-las para o futuro. Quer saber como? Entenda os benefícios do empreendedorismo para as crianças.

O que é empreendedorismo?

De acordo com o economista austríaco Joseph A. Schumpeter:

“o empreendedorismo está ligado ao desenvolvimento econômico.”

Segundo ele, empreender é inovar a ponto de criar condições para uma radical transformação de uma determinada área. Ou seja, com a criação de novos produtos, métodos ou mercados, o empreendedor cria o novo.

Mas essa definição não é a ideal para a compreensão e engajamento de uma criança no tema. Uma maneira de simplificar esse assunto é apresentando empreendedores. Oferecer às crianças a chance de conhecer ou conversar com esse profissional mostrará que a criatividade e autonomia são essenciais para o futuro.

3 exemplos de empreendedorismo infantil

Asia Newson

Desde os 5 anos de idade, Asia Newson já mostrava paixão pelo empreendedorismo. Ainda pequena, ela ajudava o pai no negócio da família, de fabricação de velas. Aos 11, ela criou sua própria empresa de velas, a Super Business Girl.

Já o capital social do negócio é utilizado em outra paixão de Asia: ajudar o próximo. Com o dinheiro, ela auxilia outras crianças a desenvolverem suas habilidades para empreender.

Anshul Samar

Com 12 anos, Anshul Samar teve a ideia de unir a diversão ao aprendizado, por meio do Elementeo, um jogo de cartas sobre a Tabela Periódica. Os primeiros 5 mil jogos fabricados esgotaram em um curto período e o Elementeo ganhou, até mesmo, uma versão em aplicativo.

Henry Patterson

Hoje com 17 anos, o britânico Henry Patterson foi considerado o empreendedor mais jovem do mundo. Com 9 anos, Henry já era dono de 3 empresas. Com apenas 7 anos, ele já tinha seu primeiro negócio, vendendo adubo no eBay.

Em seguida, começou a vender produtos de segunda mão até chegar na ideia do Not Before Tea (Não Antes do Chá), que vende doces e presentes infantis. Ele também escreveu um livro infantil e trabalha como palestrante sobre empreendedorismo.

Por que trabalhar o empreendedorismo na sala de aula?

A leitura até o momento pode ter feito você pensar que “levar o empreendedorismo para a sala de aula significa estimular as crianças a criar negócios e ganhar dinheiro”. Mas trabalhar o empreendedorismo na escola vai muito além.

Isso porque o empreendedorismo vai muito além dos negócios, oferecendo também uma maneira de enxergar oportunidades e explorar soluções para problemas. Com ele, as crianças podem estimular a imaginação, a responsabilidade e a coragem de encarar desafios.

Ou seja, os benefícios do empreendedorismo infantil são:

  • incentivo ao pensamento crítico;
  • aumento da autoconfiança;
  • nutrição do pensamento lógico;
  • maior valorização e cuidado com o dinheiro;
  • desenvolvimento de noções de administração e finanças;
  • transformação das crianças em adultos mais resilientes e adaptáveis;
  • reforço da importância da criação de metas e objetivos;
  • encorajar a autonomia;
  • desenvolvimento da criatividade;
  • aprimoramento de sociabilidade.

Com tantos benefícios oferecidos, é fácil entender por que o empreendedorismo passou a fazer parte da Base Nacional Comum de Curricular (BNCC). O documento, que já está vigente no país, tem como proposta garantir um ensino focado no desenvolvimento de 10 competências gerais, agrupadas em três eixos (comunicativas, cognitivas e socioemocionais):

  • conhecimento;
  • pensamentos científico, crítico e criativo;
  • repertório cultural;
  • comunicação;
  • cultura digital;
  • trabalho e projeto de vida;
  • argumentação;
  • autoconhecimento e autocuidado;
  • empatia e cooperação;
  • responsabilidade e cidadania.

Como levar o empreendedorismo para a sala de aula?

Existem algumas práticas que podem ser inseridas dentro da sala de aula e que auxiliam o desenvolvimento dessas competências. Vamos conferir algumas delas abaixo?

Estimule a independência

A autonomia é mais que apenas enfrentar medos e sair da zona de conforto. Quando somos independentes, tomamos decisões baseadas em ponderações que realizamos. Na sala de aula, é possível incentivar a independência dos estudantes invertendo os papéis da aula.

Combine com os alunos que cada um deles ajudará o professor a ensinar um dos temas das próximas aulas. Esse estudo antecipado pode incentivá-los a apresentar seu ponto de vista e se sentir mais confortáveis em sanar dúvidas.

Sem contar que, quando um aluno estuda algo antes do professor, ele ganha mais independência e estímulo a buscar informações, ao invés de esperar que elas cheguem até ele.

Incentive o trabalho em equipe

Tão importante quanto saber como trabalhar sozinho é entender o funcionamento do trabalho em equipe. Com ele, os estudantes podem debater diferentes ideias, visões e experiências que os ajudam a treinar a resolução de conflitos e a empatia.

Portanto, ao ajudar os estudantes a se enxergarem como parte de um todo, por meio dos trabalhos em equipe, a escola estará auxiliando-os a aprimorar suas produções e levar mais profundidade às tarefas.

Trabalhe com feedback

Ao invés de colocar apenas uma nota nos trabalhos e provas dos alunos, que tal oferecer um feedback mais personalizado? Assim como um colaborador pode se beneficiar em saber do seu gestor quais pontos estão bons e quais precisam ser melhorados, um aluno pode ver nos feedbacks uma oportunidade de crescer e aprimorar seus conhecimentos.

E para mostrar aos alunos a importância do feedback, peça também a opinião deles sobre as aulas e a matéria estudada. Essa ação pode dar à instituição de ensino valiosos insights, além de estimular o lado crítico e participativo dos estudantes.

Valorize o esforço

Quer saber uma ótima maneira de incentivar o empreendedorismo nos estudantes? Com os elogios. É claro que os erros devem ganhar a atenção dos jovens (e abordaremos esse tópico logo em seguida), mas são os acertos que oferecem aos alunos uma visão das suas qualidades.

Os elogios também podem ajudar com a autoestima e gerar um maior engajamento nas aulas. Ou seja, só benefícios!

Não ignore os erros

Errar é humano, já dizia o ditado. Mas o que muitos esquecem é que o erro pode ser uma das mais valiosas lições para os jovens. Por isso, ao invés de apenas preparar os estudantes para os acertos, que tal reforçar a importância dos erros?

Ao mostrar aos estudantes um olhar mais saudável para os erros, eles conseguem lidar com as frustrações e aprender com as derrotas.

10 ideias para estimular o empreendedorismo

Quando imaginamos um grande empreendedor, o relacionamos com termos como inovação e criatividade. Ou seja, o empreendedorismo é mais que ensinado: ele precisa ser estimulado nos estudantes. Algumas atividades que podem ajudar, são:

  • montar uma venda de quitutes caseiros;
  • criar uma banca de limonada, como nos filmes americanos;
  • construir objetos com materiais recicláveis;
  • realizar uma feira de troca de livros ou brinquedos;
  • levar a sala de aula para passar o dia em alguma ONG ou projeto voluntário;
  • realizar feiras de conhecimentos gerais;
  • convidar os alunos a participarem de debates;
  • propor projetos de empreendedorismo que buscam resolver problemas encontrados no bairro;
  • convidar empreendedores para bate-papos com os alunos sobre o assunto;
  • aliar empreendedorismo à tecnologia para despertar a atenção dos alunos.

Todas essas ideias são apenas o começo no incentivo ao empreendedorismo dentro da sala de aula. O maior dos incentivos, entretanto, não é nenhuma surpresa: conhecimento.

Independentemente do tipo de projeto, o essencial é reforçar o aprendizado e as lições tiradas da experiência. E o Gênio das Finanças pode ajudar com esse processo! Ele inclui o módulo Empreendedorismo em todos os materiais, levando o conceito para a realidade dos alunos, tornando a aprendizagem mais prática e eficiente.

Mas o Gênio é muito mais que isso. Constituído com base nos eixos Educação, Economia e Psicologia, ele propõe uma mudança de perspectiva, consolidando o viés comportamental da aprendizagem em um conteúdo que é totalmente aplicável à realidade. Invista no futuro dos seus alunos com o Gênio das Finanças. Acesse o nosso site e entre em contato para entender o que nosso programa de Educação Financeira Comportamental pode fazer para sua escola!

POSTS MAIS LIDOS

CATEGORIAS

Inscreva-se em nossa Newsletter